XMobots projeta aumento superior a 60% no faturamento

noticia imagem


Publicado em: 24/08/2016


Com autonomia de 90 minutos, 7,5 kg e 2,1 m de envergadura, a aeronave remotamente pilotada Echar é utilizada para sobrevoar áreas agrícolas de até 10 mil hectares

 

Empresa especializada no desenvolvimento e na fabricação de sistemas de aeronaves remotamente pilotadas (RPAS, na sigla em inglês) para aplicações profissionais, a XMobots está finalizando o processo de certificação do Supi, seu primeiro modelo para sobrevoar áreas urbanas.

“Os entendimentos com o DCEA [Departamento de Controle do Espaço Aéreo] e com a Anac [Agência Nacional de Aviação Comercial] estão adiantados”, disse Giovani Amianti, CEO da empresa que desenvolve o projeto com apoio do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) da FAPESP.

“Estamos reivindicando voar em um espaço aéreo adaptado, que a aeronave é capaz de acessar sem depender do Notam ['Notice to Airmen', documento expedido pelo Aeronáutica com no mínimo sete dias de antecedência do voo programado]. A integração com o espaço aéreo, no caso, é realizada pelo controlador do voo, exigindo que a aeronave esteja equipada com uma série de sistemas e controles que possibilitem ao controlador ‘enxergá-la’”, explicou.

Criada em 2004 por um grupo de nove alunos de mestrado e doutorado da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), a XMobots cresceu incubada no Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Ciatec), instalado no campus da universidade. Em 2009, teve um primeiro projeto apoiado pelo PIPE para o desenvolvimento do Apoena.

O Apoena ficou pronto, mas era preciso “entrar no mercado”. Em 2010, a XMobots obteve recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e, no ano seguinte, fechou o primeiro contrato comercial para o mapeamento e quantificação do desmatamento em torno da Usina Hidrelétrica de Jirau, em construção no rio Madeira, em Rondônia.

O Apoena realizou operações durante 18 meses e, com base nessa experiência, a empresa desenvolveu o Nauru 500A, que passou a substituir o primeiro em missões amazônicas. Em 2013, a XMobots obteve o Certificado de Autorização de Voo Experimental (Cave) da Anac para que o Nauru voasse em áreas segregadas. O novo modelo, Nauru 500B, tem autonomia de até 10 horas, massa de 25 kg e envergadura de 3,5 metros.

A XMobots emancipou-se do Ciatec em 2011, instalando-se em São Carlos. Na época, produzia uma aeronave a cada 3 meses com uma equipe de dez pessoas. A partir de 2012, softwares para mapeamento (aerotriangulação) em 3D abriram para os RPAS – também conhecidos como vants –  da empresa o mercado de topografia. De olho nessa oportunidade, a XMobots desenvolveu o Echar 20A, "o primeiro RPAS brasileiro completamente automático e o primeiro automático a obter Cave da Anac", sublinha Amianti.  

O Echar tem autonomia de 90 minutos, peso de 7,5 kg e 2,1 metros de envergadura. Em 2014, com a possibilidade de utilizar RPAS na agricultura de precisão, foi lançado o Arator, com apenas 3,2 kg e um projeto aeronáutico inovador. "O primeiro do mundo a utilizar sistema de pouso invertido, o que protege as câmeras da aeronave", conta Amianti. 

Com isso, a XMobots passou a ter um portfólio diversificado de produtos. O Nauru atende a demandas de clientes com áreas superiores a 10 mil hectares, O Echar é utilizado para áreas entre 1 mil e 10 mil hectares e o Arator cobre áreas abaixo de 1 mil hectares. “Com o uso de sensor multiespectral, é possível observar falhas no plantio, quantificar o número de plantas, identificar plantas invasoras e fazer correções”, disse Amianti.

Em 2015, do total de faturamento de R$ 5,4 milhões, 60% vieram da agricultura de precisão. Atualmente, os RPAS são operados por clientes, agrônomos, topógrafos ou engenheiros. “O equipamento é automático, não necessitando de habilidade do piloto. O Nauru 500B, por exemplo, decola com catapulta e pousa com paraquedas. Só precisa de operador", afirma Amianti. 

Em 2016, a XMobots lançou a versão C do Echar, alcançando uma autonomia de 2,5 horas, e um novo software de projeto de missão, o XPlanner. “Também estamos finalizando os testes de um helicóptero de voo autônomo para aplicações localizadas de defensivo em lavouras”, disse. 

Com 50 funcionários, a empresa prevê fechar o ano com um faturamento próximo a R$ 9 milhões. "A empresa já recebeu, entre 2010 e 2015, cerca de R$ 11 milhões em investimento para pesquisa e desenvolvimento de seus produtos de órgãos de fomento como a FAPESP, Finep e CNPq. Se considerado o retorno em impostos, em 2017 todo o valor investido na XMobots já terá retornado para a sociedade", disse Amianti.  

Empresa: XMobots
Sitewww.xmobots.com

Endereço: Rua Gelsomino Saia, 88 - Jardim Maracanã. CEP: 13.571-310 São Carlos - SP – Brasil

Telefone: (16) 3413-0655
Emailcontato@xmobots.com.br

 

Fonte:Papesp



Empresas Incubadas

Governança Associação Sociedade do Sol e Indústria do Sol
Governança Associação Sociedade do Sol e Indústria do Sol
WEB 2 Doctors
WEB 2 Doctors
BPS Inovações Tecnológicas
BPS Inovações Tecnológicas
Siciliano Tecnologia
Siciliano Tecnologia
Garden Química
Garden Química
RF Tecnologia
RF Tecnologia
Fênix Grill
Fênix Grill
Ser Leve
Ser Leve
DNA Express
DNA Express
Lancellete
Lancellete
MS Ferramentaria
MS Ferramentaria
Ambtec
Ambtec
Ecologic
Ecologic
Micro Injeção
Micro Injeção
Inova Omics
Inova Omics
Inovatec
Inovatec
Biomedtech
Biomedtech
Stepansil Ind. Com.
Stepansil Ind. Com.
Atto Metrologia
Atto Metrologia
Active Corp
Active Corp
Djuh Cosméticos
Djuh Cosméticos
Turma da Alegria
Turma da Alegria
Protus 3D
Protus 3D
GQuest Tech
GQuest Tech